domingo, 16 de dezembro de 2012

Há coisas que nunca mudam... Ou talvez mudem...

Há coisas que nunca mudam...

Estava insatisfeito com o andamento das coisas cá por casa, na maqueta. O plano de vias parecia ser aquilo que procurava, mas o que no papel e na nossa cabeça parece que funciona, depois de criado e alguma via assente, a coisa não funciona assim tão bem. A minha insatisfação com o que construo nunca muda...

Outra coisa que nunca muda é o facto de eu querer acelerar o processo de construção, não tomando o tempo necessário entre as diversas fases, o que leva a que tudo seja feito em cima do joelho... há coisas que nunca mudam...

Durante uma das minhas "passeatas" online, descobri uns planos de vias simples, mas que me pareceram muito interessantes, e dentro daquilo que eu pretendia. Um deles foi o Gorre & Daphetid do mestre John Allen. Ainda pensei na construção de algo semelhante, mas foi pelo cano.... Demasiado para o que eu pretendo, apesar de ser um dos planos mais bem sucedidos da história do modelismo ferroviário. 

Foi altura de eu decidir o que quero: circuito fechado para ter a "companhia" de um comboio em movimento permanente, enquanto estiver no quarto a trabalhar em algum projecto, algum interesse operativo, e um cenário feito com facilidade... nada de projectos complicados demais... OK... vamos a isso.

Com a ajuda de um software de planeamento (SCARM, que é muito bom, simples de trabalhar e gratuito), e com a ajuda de alguns blogs na net, decidi criar este plano... ate agora parece-me bem. Há coisas que afinal mudam... Estou satisfeito!



Este software permite a visualização do projecto em 3D. Nada mau para um software gratuito...




Hora de meter mão à obra. Primeiro passo, foi levantar a via já assente. Nada "difícil". Apenas tive que tirar a solda que os carris já tinham... E descolar a cortiça. Depois foi descolar uma das camadas de roofmate, o que foi fácil...

Reuni o material:
Duas rampas de 4% da Woodland Scenics (sim tive que exagerar na inclinação, mas os 140 x 70 cms não me deixaram ter os 3%) que grande parte irá ficar escondida, leito de via em espuma em vez de cortiça via flexível em codigo 55 da PECO, e as esclisas. O ferro de soldar esta lá a trás a espreitar...



Uma das coisas que o SCARM possibilita é a impressão do do plano em 1:1... Foi o que fiz.

Uma visão das rampas da Woodland Scenics. Só tenho a dizer maravilhas deste produto. É excelente, é o minimo que posso dizer. Flexível como mostra a foto (o raio de curva é 250mm) e dá logo uma excelente base para fazer as rampas de forma a que fiquem certas, com a inclinação correcta. Nota 20!!!


O trabalho a decorrer. O comboio terá que subir 6cm. Esta cota derivou da grossura de dois pedaços de roofmate colados um ao outro. Esta altura dar-me-à altura suficiente para cruzamento de vias, com as pontes incluídas. Aqui, no lado mais longe motro a estrutura que fiz com o roofmate, de forma a assentar a via. O leito em espuma começa também a ser assente. Nota 20 também para este produto: Com os testes que fiz, o rolamento dos comboios será ainda mais silencioso que com a cortiça.


Já posso começar a assentar a via. Tudo foi colado à base de cola-quente (para o roofmate e esferovite das rampas) e cola de madeira (para o leito de via). Entretanto percebi que deveria ter colocado uma camada de ligadura engessada entre o leito de via e a base, para dar consistência à coisa... não o fiz. (nota mental: seguir as instruções dos produtos). Vamos esperar que tudo corra bem.


Vamos ver como correm as coisas...

Abraços a todos.

3 comentários:

Mário Inácio disse...

hummmm.. Será que é desta ? hehehe... Até o Jerry foi afectado por esta doença que nos afecta e que se chama indecisão. Quem diria. Já viste o Blog dele ?? Bom gosto do teu plano. Simples e funcional e sem encher muito a maqueta como nós gostamos...
Agora faz-me um favor.. Avança.....

Um abraço

Mário Inácio disse...

hummmm.. Será que é desta ? hehehe... Até o Jerry foi afectado por esta doença que nos afecta e que se chama indecisão. Quem diria. Já viste o Blog dele ?? Bom gosto do teu plano. Simples e funcional e sem encher muito a maqueta com via como nós gostamos...

Um abraço

Luis Lopes disse...

Viva Mário.

Isto é mesmo complicado. Vamos ver se consigo manter-me no plano inicial!

Vi o blog do Jerry, e de facto o rapaz tem o mesmo problema...


Um abraço e Feliz Natal.