quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Balastro

Olá a todos.

Hoje vou mostrar mais um video que está nos meus favoritos. É a sobre a técnica que uso há anos para balastrar a via.

O criador deste layout, infelizmente, já não é modelista ferroviário, e o layout não existe, desde 2009.... 

Espero que seja útil.

Abraços e Boas Festas.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Circuito eléctrico (parte 1)

Olá a todos.

Hoje venho mostrar três fotografias rápidas sobre o circuito eléctrico deste pequeno layout. Ainda tenho que pensar em um nome para o mesmo.

113

Esta é uma foto geral do “capot” aberto, Um transformador de corrente alterna Märklin que sobrou, no canto superior do layout. Do transformador vêm quatro fios – dois azuis e dois pretos. Os que estão mais à esquerda vão alimentar o reóstato. Os que estão mais à direita vão alimentar os motores dos desvios. Se repararem, a meio destes últimos cabos, tenho dois componentes electrónicos. Começo com uma ponte rectificadora, que transforma a corrente alterna em corrente contínua, que por usa vez irá alimentar um condensador electrolítico de 4700 microfarads. Este rapazola irá dar uma descarga directa sobre os motores das agulhas, cada vez que é solicitado. Desta forma, as agulhas nunca irão ficar por mudar, e também deixo de ouvir o barulho irritante de campainha de porta que os motores PECO fazem quando accionados por AC, passando apenas a ouvir um pequeno estalo, resultantes da mudança mecânica das agulhas.

114

Como disse atrás, dois dos fios estão a alimentar o reóstato. E aqui está a “traseira”. Utilizei um Gaugemaster modelo UF, de painel. Este comando está equipado com uma função de “feedback" – o comando vai analisado o comportamento eléctrico do motor, fazendo ligeiros ajustes automáticos à tensão que lhe é aplicada, de forma a que o motor mantenha as mesma velocidade. Um pouco como o controlo de carga utilizado pelos decoders digitais.

115E aqui está a frente do layout. Do lado direito o Gaugemaster montado no seu sitio. Do lado esquerdo os interruptores que controlam os cantões eléctricos.

E agora, vou descansar… amanhã é dia de trabalho! A parte dois virá assim que o tiver os botões para os desvios.

Abraços a todos.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Windows Live Writer

Olá a todos.

Hoje estou a experimentar uma ferramenta nova da Microsoft: O Windows Live Writer. Ao que parece, esta aplicação permite a inclusão de artigos e mensagens novas, sem utilizar o serviço de edição do Blogger, que por vezes não funciona da melhor forma…

Se esta ferramenta funcionar bem, irei passar a escrever todos os artigos deste meu pequeno canto com esta ferramenta!!!

026

Abraços a todos.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

30000 visitas e 100 mensagens...

Olá a todos.


Muito rapidamente, agradeço a todos os que têm visitado este blog, conseguindo chegar às 30000 visitas, e assim como esta mensagem que é a 101ª mensagem.


Espero continuar a mostrar os meus  trabalhos através deste blog e chegar às 60000 visitas, assim como às 200 mensagens.


Abraços a todos.

domingo, 28 de novembro de 2010

Via pintada

Olá a todos.

Em pouco tempo, liguei o compressor e dediquei-me á pintura dos carris.
 Estas foram as duas cores utilizadas: Vallejo 71056 Black Grey para base, pintado com o aerógrafo a 2,0 bar e o Tamiya XF-64 Red Brown, também com aerógrafo, mas a 1,2bar, e com o limitador do curso do gatilho a meio, para pintura apenas dos carris.

Depois, de deixei secar bem, e com o diluente para tintas da Tamiya X-20 e umas cotonetes, limpei o topo do carril. O resultado foi este:

 Agora vou-me entreter com o esquema eléctrico durante mais algum tempo. Mas estou "mortinho" para começar com a decoração desta coisa...

 Abraços a todos. 
 

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Fios... e mais fios...

Olá a todos.

A facilidade de layouts e projectos mais pequenos é esta mesmo: em pouco tempo se faz grandes progressos, e facilmente chegaremos ao ponto de termos um cenário pronto ou quase pronto para colocarmos os detalhes que dão vida aos mesmos.

Ontem à noite, entre a minha hora de jantar (21H) e o início do "Biggest Looser" (23H), estive de volta dos cantões e a da arrumação dos fios que já vou tendo.

Como foi dito anteriormente este mini-layout será analógico, pelo que tive que fazer alguns cortes na via, com o miniberbequim (é tudo mini...) e um disco de esmeril: 
 

Depois preenchi os espaços com tiras de Evergreen, colado com CA. O facto de ser branco, irá ajudar a perceber onde estão os cortes de via, para parar o material circulante sem toques ou choques.

Com um bisturi e uma lima dei o acabamento final, retirando o excesso. 

No fim, arrumei os cabps todos com a ajuda de cola quente... lá foram mais uns palavrões. Na frente do layout já se vê a caixa de controlo de tudo isto. Resta-me agora arranjar uma maneira inteligente de ligar e desligar o transformador do layout... Estou a pensar em fichas RCA de áudio! 


E pronto. Agora já consigo fazer cruzamento de comboios e algumas manobras com vagões, muito facilmente. Em 6H, avancei um bom bocado...


Abraço a todos.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Aproveitamento de material antigo

Olá a todos.

Já lá vai uns bons dias sem uma actualização sobre comboios e modelismo ferroviário cá deste lado. Bem, ontem, em conversa com um amigo, e depois de muito ver e ler coisas sobre modelismo ferroviário do Japão, decidi experimentar fazer uma pequena maqueta em 91 x 65 cm, mas sem gastar, ou gastar muito pouco. Tenho lá por casa, material que fui adquirindo ao longo dos tempos, e que por si só não vale nada para vender em 2ª mão:
Madeiras;
Carril;
Cortiças;
Roofmate;
Kits montados ou por montar;
Material circulante, que por usar carril do código 55 da ATLAS na Lonesome, não circula;
Etc, etc...

Decidi, por mão às obra e fazer alguma coisa, que apesar de ser muito simples, me irá entreter durante alguns tempos.

A medida escolhida tem apenas a ver com um módulo que me foi cedido, por uns amigos, e que estava à espera que acontecesse alguma coisa.

A ideia dos mini-layouts é  conseguirmos ter comboios a circular, sejam eles de linhas secundárias, minas, comboios turísticos de praia (lembram-se Shifting Sands, um layout precisamente com estas medidas, mas em O, com comboios em N?) em pouco espaço, e termos projectos fáceis de concluir, que não seja necessário gastarmos fortunas para o acabarmos.

E foi então, que em duas horinhas apenas, ontem à noite, isto aconteceu:


A minha mesa de trabalho, vazia e limpa, à espera...
O módulo, em contraplacado marítimo, leve, apesar do tamanho.
O ideal era ele ainda ser um pouco mais pequeno...
O plano de vias desenhado em WinTrack 10.0. 
Está ao contrário, porque não me apercebi que as agulhas que tinha 
eram ao contrário...

O ensaio com PECO SetTrack, código 80. Ainda não assentei a cortiça, e 
pergunto-me se valerá a pena: afinal isto é uma linha quase abandonada...

Ao fim de duas horas, o aspecto era este, com linha PECO Flexível, código 80.
A linha é horrível, e monstruosamente grande, mas como era o que tinha, vai disto!...

Hoje vou ver se faço as ligações eléctricas para por a comboiada a andar e a esticar as pernas. Depois o resto logo se vê!!!

Abraços a todos!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Modelismo ferroviário?

Há dias que me apetece escrever sobre o modelismo em Portugal. Hoje é um desses dias. Isto foi provocado por ter lido uma revista da Modelrailroader, com o título “How to Build More Layout in Less Space”.

Esta revista tem catorze artigos sobre a construção compacta de layouts. Epah, magnifico! A malta deveria ler isto... mas o quê, gastar dinheiro em revistas, livros e/ou DVD’s sobre assunto? Não... nós nascemos todos ensinados. Sabemos todos criar cenários realistas e correctos... certo? Errado. É por isso é que a minha colecção de revistas e livros não para de crescer: Model Railroader, Loco Revue, Eisenbahn Journal, MRH (esta é gratuita, sabiam???) É um PDF com conteúdos multimédia, com dicas fantásticas sobre modelismo). Não nasci ensinado, nem nunca fui bom a Trabalhos Manuais na Escola.


O que vejo cada vez mais, seja cá dentro ou lá fora, são as aberrações de maquetas... desculpem... de amontoados de material, que nada têm a ver com a realidade. No modelismo ferroviário tentamos reproduzir a realidade à escala. O que se vê mais é a malta que gosta do comboio eléctrico e faz a sua colecção, mas que se intitulam de modelistas ferroviários.


No meu ponto de vista o que se passa é o seguinte:

Modelista ferroviário – Pessoa que se dedica à construção de um cenário baseado ou não na realidade, mas que os critérios de construção têm a ver com um determinado período ou espaço temporal
Coleccionador ferroviário – Pessoa que se dedica à colecção de modelos ferroviários, e que até é capaz de por os seus modelos a rolar de vez em quando, porque até tem uma chapa de madeira com umas linhas pregadas.
Amante do comboio eléctrico – Pessoa que compra tudo e mais alguma coisa, sem qualquer tipo de critério, e que faz um cenário que não é baseado em nada, e que por vezes acaba por ficar tudo tão complicado que fica tudo menos credível.

Sou capaz de ser um pouco radical nestes conceitos, até porque me considero um pouco dos três. Mas de facto, a minha colecção está-se a dirigir para um determinado local e época. O layout também...


Malta, vamos lá com calma, e vamos deixar de ser “Velhos do Restelo”. Hoje em dia só não fazemos maquetas melhores se não quisermos.


Eu próprio meti-me numa alhada complicada... “ah e tal vou fazer uma trestle bridge...” Errado... não a fiz, e ainda está por fazer. Devemos manter o projecto da maqueta simples, sobretudo se não temos muita experiência. Devemos procurar fotografias da realidade para inspiração.

Digam-me lá se faz sentido vermos uma CP 1400 azul ao lado de uma 5600, numa mesma fotografia? Mas faz mais sentido se, com pequenas alterações, fotografarmos a maqueta com a 1400 azul com carros da época, e depois pomos a 5600 com carros da época. Fica ou não diferente???

Pensem nisso...


E muito importante: ninguém nasceu ensinado. As revistas ajudam muito. E não é por €7,60 de uma Model Railroader que o a coisa corre mal durante o mês... É preferível gastarmos esse dinheiro, para nos ajudar a escolher os produtos e técnicas correctas, do que andarmos a comprar e experimentar material por tentativa/erro.


Ah, e mais digo: Os livros da NOCH são excelentes!!! Até dizem o que devemos usar em cada capítulo!


Venham daí os vossos pensamentos e ideias.

Abraços.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Mais uma ModelScala terminada!

E da melhor forma. Só tenho uma coisa a dizer: Parabéns AMM!!
E parabéns a todos os que participaram.
Vamos ás fotos que é o que interessa!!















 














quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Modelscala 2010


Olá a todos.

Mais uma vez, vai-se realizar a ModelScala 2010, a nona a realizar pela Associação de Modelismo do Montijo.
Será uma exposição a decorrer no Pavilhão nº2 do Montijo, que fica perto da Praça de Touros, durante os dias 25 e 26 de Setembro. 

Espera-se este ano uma exposição ainda melhor que a do ano passado, e assim espero que seja, para bem da AMM. Irá estar também presente uma maqueta ferroviária seguindo as Normas Maquetren com 12 x 12 metros, por mão da APAC.

Este ano não vou participar, mas tenciono fazer uam reportagem fotográfica, que será depois apresentada aqui no blog.


Um abraço a todos.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Retrogamming!!! Relembrar bons tempos!

Olá!

Já lá vai uns bons dias que falo aqui de comboios... e também não vai ser hoje. Ando um pouco distanciado dos comboios, com a minha atenção a ser puxada para outras direcções.

Uma das coisas que me despertou a minha atenção foi o retrogamming. O que é isto? Simples - jogos antigos, não em PC, mas nas consolas de jogos antigas, daquelas que se ligavam ao cabo de antena da TV, não dessas modernas através de S-Video, Scart, Componentes ou HDMI.

Por uma troca que fiz tive acesso a uma SEGA Mega Drive II... Valha-me Deus! O que fui eu fazer? "Obriga-me" a jogar glórias como o Sonic 1 & 2, Super Hangon, Streets of Rage e muitos mais...
Lá em casa, já lá está uma Sony PS2,  para jogos como o Singstar, Buzz, e outros... mas quando voltei a ligar a MD II esta semana,  coloquei o cartucho do Sonic 2, e liguei tudo e 2 ou três segundos mais tarde ouvi a bela da cantilena "SEGA"! Que nostalgia. Uma pequena busca pelo leilões.net, miau.pt ou eBay.co.uk fez-me perceber que hoje em dia por 2 ou 3 euros conseguimos comprar jogos para esta consola, que para mim sempre foi superior à sua rival Super Nintendo.

Para quem não se lembra:
Isto é uma Mega Drive dois com o cartucho do Sonic 2. Esta imagem foi retirada do Blog Tigrão Filmes.

O Sonic é a mascote da SEGA, o grande rival do Super Mário da Nintendo.

Aqui fica um video do primeiro jogo - Sonic, The hedgehog




Mas porquê ter uma consola antiga, e não apostar nos emuladores que existem para jogar estes jogos? Porque não é a mesma coisa, o mesmo sentimento. Até podia jogar isto na minha PS2, mas não é a mesma coisa. O facto de ter a consola, com o cartucho colocado na mesma, e tê-la ligada à TV dá outro "sáinete" (?!?!?!!!!). Não nos esqueçamos que estamos a falar de um sistema que apareceu no final da década de 80, do século passado. Para mim, foi a consola que marcou uma geração de "gamers" de 16-bit, e que tem um lugar muito especial nas minhas memórias, pois foi aos 12 / 13 anos que tive a minha primeira, e que depois vendi para comprar uma PSX (a primeira Playstation). É uma pena que a SEGA tenha passado por maus bocados, e que tenha deixado de produzir hardware...
Vou dando mais noticias sobre isto, e assim puder coloco fotografias da minha colecção.
Um abraço a todos.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Italian Horses

Olá a todos novamente.


Este blog, para além de mostrar os meus trabalhos de modelismo ferroviário, serve também para mostrar outras coisas, como é caso do quarto, de fotografias, do meu aquário e de outros trabalhos de modelismo, o qual também gosto muito de fazer.


Posto isto, após ter pedido autorização ao proprietário das fotos, vou colocar aqui fotos dos três últimos trabalhos de um excelente modelista, conhecido na comunidade do modelismo estático internacional. Mas atenção que não estou a falar de comboios, mas sim de modelismo estático automóvel (também conhecido como automodelismo) à escala 1/24.


O seu nome é Alex Kustov, e o site é o http://italianhorses.net. O Alex leva o modelismo estático a um patamar muito elevado. Não quero dizer, atenção, que nós não temos bons modelistas cá em Portugal - basta irmos ao forum Modelismo Na Net (que felizmente não vai fechar) para verificarmos exactamente ao oposto.


Dediquei à construção de dois ou três modelos nesta escala também, os quais irei mostrar oportunamente, mas devo dizer que a inspiração e a vontade veio através do site deste rapaz. Este tipo de modelismo é também uma óptima escola para a construção de kits e sua pintura, pois somos obrigados a dar sempre um bom acabamento às peças e não o acabamento "mais ou menos", pois todas elas são visíveis.


O texto já vai longo!!!... A malta gosta é de fotos...





Mais uma vez chamo à atenção para a escala 1/24. Estes modelos têm cerca de 17 cms de comprido... e o acabamento é excelente.


Quem gosta de construir modelos em plástico, resina ou metal branco (como é o caso dos Ferraris F40 de competição da primeira fotografia) deveria experimentar. O primeiro não sai bem, normalmente, mas os restantes começam a sair melhor. E depois quando pegamos num modelo da Faller, Vollmer ou KIBRI e o começamos a montar, já olhamos para eles com outros olhos.


Abracinhos a todos..


PS - Só um pequeno reparo - O nome Italian Horses do site do Alex tema  ver com a paixão que este grande modelista tem por carros italianos, sobretudo Ferraris. Mas atenção que encontram mais, para além de Ferraris....

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Olá a todos...

As férias por vezes significam mudança... mas calma. Esta não foi destruída, apenas mudou de lugar.

O quarto onde tinha toda aquela tralha, teve que ser libertado para se tornar num quarto onde possa receber visitas e também em um pequeno escritório.

Tudo o que tem a ver com modelismo foi mudado para a arrecadação. Teve que ser!...

Abracinhos a todos.

domingo, 1 de agosto de 2010

Mais uma actualização... muito trabalho, mas estou a gostar!!!!

Olá, boas férias! As minhas estão a chegar, mas até lá vou fazendo qualquer coisa na Lonesome.


Uma das coisas que tinha para fazer era afinar a colocação da boca do túnel, mas para isso, tinha que o montar.
Estes artigos da gama Woodland Scenics são em gesso, uma surpresa para mim. Deu para fazer umas brincadeiras, aproveitando a porosidade do mesmo, quando o pintei.




Depois de cortar as paredes de suporte com a altura correcta e ideal, pintei-o com um acrílico cinzento, bem aguado. Com pouco, ficou logo com boa aparência.


Aproveitei para fazer esta montagem, enquanto a tinta de algumas alterações ao terreno secava. A pintura da fita é sempre opcional, mas tal como o Joe Fugate diz, ajuda muito à mistura de gesso que uso a se fixar no sitio.


Aqui foi no locla onde a boca de túnel se irá colocar.


Aqui, foi apenas uma operação cosmética. Estava ali qualquer coisa a mais!...


Hoje de manhã, Domingo, o primeiro dia de Agosto, foi dia de colocar a massa no sitio por cima da fita. A massa sofreu algumas afinações em relação ao que o Joe diz no DVD 4 da colecção. A minha receita foi:


3 partes de gesso;
1 parte de cimento Portland;
2 partes de vermiculita fina;
1 colher de café de fermento (age como retardador de secagem desta mistura).


Misturei com água para ficar com consistência muito macia.
Tudo foi corrigido usando depois os dedos e água pulverizada.


Mais umas fotos da massa já toda colocada.


Aqui já com a boca de túnel colocada provisoriamente.


Agora tenho que deixar secar bem. Esta mistura tem tendência para encolher, algo que será corrigido mais tarde.


Um abraço a todos.