quarta-feira, 2 de maio de 2012

Normas M31

Olá a todos.


Eu e o Carlos (mais o Carlos, sejamos realistas) estamos a preparar as tais normas M31, com base naquilo que vimos pelo site do Japonês.


 A ideia é mostrar ao público o que se pretende fazer, e com isto talvez chamar mais aficionados.


No fundo, estes módulos são pequenos dioramas, que são ligados entre si , usado a Kato Unitrack. Esta via é a ideal, pois como tem uns clips de plástico para além das eclisas, elimina o uso de parafusos e grampos para segurar os módulos entre si. E além disso, os pés são pequenos, pensados para colocar em cima de uma mesa.




Este é um primeiro esboço enviado pelo Carlos.
O ideal é usar uma chapa de contraplacado de choupo, à venda no Leroy, de 120 x 60 com 10mm de espessura.´É uma madeira leve, relativamente barata (uma chapa dá para uns quantos módulos) e aceita bastante bem as colas e humidades com as quais trabalhamos. A decoração deve ser realizada com base no poliuretano exturdido (aka roofmate), por uma questão de leveza e portabilidade. 


Vejam aqui nestes links as montagens de módulos básicas. 
Rectos: http://space.geocities.jp/popoya2008/b-1.html
Curvos:http://space.geocities.jp/popoya2008/b-2.html


É também importante perceber que as linhas devem ser maiores que a base do módulo no comprimento, cerca de 1mm para cada lado, pois desta forma será possível colocar uma ferramenta para separar os módulos. As linhas devem ser colocadas a 30mm de um dos topos mais compridos, sejam as linhas colocadas em recta, ou em curva, ou um "S".


Vejam este link: http://space.geocities.jp/popoya2008/c.html


Como disse anteriormente, a ideia é estes módulos serem portáteis, fáceis de realizar, e principalmente muito baratos de construir. Como tal, a alimentação da via pode ser realizada em apenas um dos módulos, usando os clips de alimentação para a Unitrack da KATO, ref.ª #24-818 (referência NOCH 77508, pois em Portugal é mais fácil encomendar através deste fabricante)


 É também ideal para quem não tem espaço para ter uma maqueta fixa e permanente, como é o meu caso. Os módulos poderão guardados facilmente dentro de uma caixa, e colocada dentro de um roupeiro, debaixo da cama, ou na arrecadação/dispensa, sem nos preocuparmos com nosso inimigo nº1: o Pó.


Estas normas vão sendo actualizadas conforme for necessário, até chegarmos a um documento "oficial".


Aguardamos sugestões e comentários.


Abraço a todos.

2 comentários:

Ricardo Moreira disse...

Estou a gostar do que estou a ver.

Só uma questão sobre a arrumação, que me parece importante: convém arranjar-se um sistema de travão para o interior das caixas onde os módulos são arrumados. Isto porque havendo o tal 1 mm de via fora do módulo (2 mm no total), as caixas de arrumação terão sempre que ser que contar com esses 2 mm a mais para cada lado, o que significa que os módulos não podem ficar encostados à caixa e ao mesmo tempo assegurar que esses pedaços de via não batem em nada (não sei qual é a robustez da via Kato, mas por muito forte que seja não acredito que não sofra com as pancadas).

Carlos Filipe disse...

Olá Luís:
A questão que o Ricardo levanta é pertinente. Estou a pensar na oportunidade de colar umas tiras de plástico de 1mm de espessura, deixando apenas uma fenda lateral para inserir uma chave de fendas, a solução do autor japonês para separar os módulos.
O cuidado maior vai para a protecção dos clips em plástico, parte integrante da base a imitar balastro. Mas como os módulos são muito leves, creio que as pancadas fortes são pouco prováveis, a não ser que se deixe cair um módulo ao chão.
Para a arrumação encontrei umas caixas de plástico transparente na loja do chinês. É de fabrico nacional e acomoda 3 módulos rectos sobrando espaço nos topos. Sugiro que se procure uma solução semelhante ou se construam caixas em cartão canelado nas medidas desejadas.
Cpts
carlos